sábado, 23 de agosto de 2014

Paz

          

           Havia muito tempo que minha cabeça não estava tão no lugar como agora... Aquela tarde no trabalho parece ter desencadeado todos os eventos nostálgicos do resto do dia.
            Seguia no carro em direção ao salão. Um pequeno tapa no visual para agradar ao espelho... A paz invadindo meu corpo... Lá, decido também por uma hidratação nos cabelos e enquanto o “mágico efeito das mãos no cabelo” vai me relaxando, falo de amenidades.
            Ao sentar para fazer as unhas das mãos, ao lado senta uma moça. Conversa vai. Conversa vem... Mais uma vez estou a falar do meu tesão em ser professora e de quão intenso é esse trabalho. Da falta que me faz estar com as crianças e da imensa felicidade que elas causam. Do comprometimento...
            De repente a pergunta:
            -- Você não está lembrando de mim, não é?
            -- ...
            -- Eu já te conheço. Sou a irmã da ....
            Um milhão de coisas acontece em meu cérebro. O nome, o tempo, a saudade. Um tempo em que as preocupações eram tão pequenas e tão sem importância que o que realmente nos incomodava eram as amizades, o bem estar daquela situação...

            Sorri, mas a emoção foi tão grande que senti desejo de chorar de alegria. E então, surgiu a necessidade de voltar aqui. Notei que anda abandonado. Quem sabe seja hora de ganhar vida novamente... 

1 O que vocês pensam?:

paula machadeiro disse...

Ser professor é ensinar, explicar, expor, criticar ....mas acima de tudo é deixar marcas invisíveis que um dia brotarão "à flor da pele". É gratificante quando o professor pode sentir isso quando se cruza com um ex-aluno, agora adulto, e este último o aborda com carinho e respeito :)